Aviso Agricola Dão Nº16/18

Visagricola > Boletins Agricolas > Boletins Agricolas > Aviso Agricola Dão Nº16/18

TRATAMENTOS DE INVERNO

A realização de tratamentos de Inverno contribui para a redução do inóculo de doenças e, consequentemente, a sua incidência durante o ciclo vegetativo. Deve ter em consideração, que os produtos utilizados atuam por contacto e, por isso, deve ser realizado tratamento com tempo seco molhando bem toda a árvore. Relembramos que precipitações superiores a 25 a 30 litros/m2 lavam o produto aplicado.

 

POMÓIDEAS (MACIEIRA, PEREIRA)

Para controlo do pedrado recomenda-se a aplicação de ureia ou enterramento das folhas. Caso opte pela aplicação de ureia, esta deve ser realizada assim que tiverem cerca de um terço das folhas caídas. A calda deve ser dirigida à copa das árvores e às folhas já caídas no solo. Poderá repetir o tratamento no fim da queda da folha. A ureia acelera a decomposição das folhas, reduzindo assim a possibilidade de formação das estruturas hibernantes da doença. Desta forma, a intensidade dos ataques tenderá a ser menor o que possibilita um controlo mais eficaz durante o ciclo vegetativo.

A ocorrência de algumas doenças, como Cancro europeu, Fogo bacteriano, entre outras, depende da existência de feridas causadas pela colheita dos frutos, queda das folhas, poda, geada, etc. É benéfica a realização de dois tratamentos, a um terço das folhas caídas e na queda total, com produtos à base de cobre, em particular, nos pomares ou parcelas com variedades sensíveis e que apresentam sintomas desta doença. Os tratamentos com cobre também devem ser posicionados após a poda e os cortes de maior dimensão pincelados com uma pasta cúprica (1kg de produto para um litro de água).

Os frutos que ficam no solo e nas árvores, são também portadores de problemas fitossanitários. Estes devem ser retirados do pomar, queimados junto com a lenha de poda ou enterrados.

 

PRUNÓIDEAS (PESSEGUEIRO, CEREJEIRA, AMEIXEIRAS)

As cicatrizes deixadas pela queda das folhas possibilitam a infeção das árvores por fungos (Lepra do pessegueiro, Doença do chumbo, Cancro de Fusicoccum) e bactérias (Cancro bacteriano). Os produtos à base de cobre, aplicados a meio e no fim da queda das folhas, têm uma ação preventiva.

 

CITRINOS

Míldio ou Aguado

Recomenda-se a realização de tratamento contra o míldio, aplicando, preferencialmente, produtos à base de cobre. Aconselha-se a distribuição da calda por toda a copa, incidindo no terço inferior. Este tratamento deve ser renovado, caso ocorram novos períodos de chuva ou lavagem do produto. Pode, numa fase posterior, utilizar fungicidas à base de fosetil-alumínio. Como medidas culturais, recomendamos o arejamento da copa, a drenagem do solo, a limpeza das ervas junto ao colo das árvores e a remoção dos ramos inferiores da copa. O tratamento e medidas preconizados também são eficazes para a Gomose dos Citrinos.

 

PSILA AFRICANA DOS CITRINOS

Continuamos a reforçar os alertas preconizados nas Circulares anteriores.

Nota: verificámos em alguns pomares da região a presença de frutos rachados. Este sintoma decorre da privação de água, que as árvores foram sujeitas no período de crescimento dos frutos. Após as primeiras chuvas, as células do interior do fruto aumentam, mas a epiderme não acompanha o crescimento, acabando por rachar. Como prevenção aconselhamos regas moderadas durante o verão.

 

OLIVEIRA

Gafa

A precipitação ocorrida provocou a lavagem do produto e, nesta altura, encontram-se reunidas as condições para o desenvolvimento da doença. Caso ainda não tenha iniciado a colheita e se não prevê o seu inicio nos próximos dias, recomendamos a repetição do tratamento. Deve optar por um produto com Intervalo de Segurança de 7 dias.

Xylella fastidiosa

O Oficio Circular nº 40/2018 da DGAV informa que foram recentemente intercetadas, plantas de oliveira, incluindo oliveiras ornamentais, infetadas com Xylella fastidiosa provenientes de dois viveiros espanhóis, localizados em Alicante e Sevilha. Alertamos aos recetores que, no último ano tenham adquirido oliveiras oriundas dessas origens, comuniquem à EADão, para que possam ser inspecionadas e, caso se justifique, a colheita de amostras para análise laboratorial.

 

Consulte o Boletim no Serviço Nacional de Avisos Agricolas: Ainda Não Disponível

Fonte: Estação de Avisos do Dão